terça-feira, 15 de novembro de 2016

MAIOR AQUÁRIO DA AMÉRICA DO SUL É INAUGURADO NO RIO DE JANEIRO

Aquário abriga um grande túnel "submarino", com mais de 3 milhões de litros d'água
PUREVIAGEM - O maior aquário da América do Sul, enfim, abriu suas portas no Rio de Janeiro. Localizado na Zona Portuária, o AquaRio tem 26 mil metros quadrados, e abriga espécies marinhas do litoral brasileiro, do Caribe e dos oceanos Pacífico e Índico. A inauguração aconteceu no último dia 9 de novembro, e os ingressos já estão esgotados até o dia 15. O novo complexo tem cinco andares, com 28 tanques e com 3 mil animais de 350 espécies diferentes. Juntos, os tanques têm quase 4,5 milhões de litros de água salgada, formando um grande circuito interativo. Logo na entrada, os visitantes são "recepcionados" por um aquário com peixes considerados "perigosos", como o peixe-leão, a moreia e o peixe-pedra - que são venenosos. No entanto, a grande atração vem um pouco depois: um tanque com mais de 3,5 milhões de litros d'água, que abriga animais como tubarões e baleias, que podem ser vistos em um grande túnel subaquático, que dá a sensação de estar dentro do mar. Placas interativas explicam um pouco mais sobre a origem das espécies. O complexo ainda vai ganhar um Museu de Ciência, um Museu de Surf, uma loja, um café, além de exposições e eventos temporários. A partir de 2017, também será possível mergulhar nos tanques com guias. Apesar da grande expectativa pela inauguração, o AquaRio foi alvo de críticas nas últimas semanas por supostamente ter capturado os animais marinhos em seu habitat natural para expor no complexo. A direção do AquaRio alegou que os peixes utilizados nos tanques são os mesmos ofertados na pesca comercial, e que as exposições também tem cunho científico. Polêmicas à parte, o local fica aberto todos os dias, das 10h às 18h. O ingresso custa R$ 80 (inteira), e moradores do Rio de Janeiro pagam R$ 60. Também é possível adquirir o pacote, que dá direito a um ano de visitação.

_________
Fonte: Pureviagem

sábado, 13 de agosto de 2016

Kinguio com Cadeira Flutuante

segunda-feira, 18 de julho de 2016

terça-feira, 5 de julho de 2016

sábado, 2 de julho de 2016

Milionário, Aquário do Pantanal tem lambari, elefante e estragos do tempo


Por Aline dos Santos - Campo Grande News

Os pequeninos lambaris reinam sozinhos nas águas do milionário e elíptico Aquário do Pantanal. A obra, que supera R$ 230 milhões e tem sucessivas dilatações de prazo para entrega, foi projetada para 260 espécies.
Contudo, cinco anos após o começo da construção, os habitantes se resumem aos lambaris, predadores de larvas; um elefante na cenografia que representa a África; e uma boneca no aquário da Tailândia, que teve que ser escondida por caixas para não assustar a vigilância. A passagem do tempo deixa marcas na gigante elipse projetada pelo renomado arquiteto Ruy Ohtake e localizada na avenida Afonso Pena, em Campo Grande. Na entrada, um acrílico trincado na fachada. Dentro do aquário, basta olhar para cima para o cenário se repetir. A cúpula também tem placa com avaria, provocada pelo choque de um drone. Somente em acrílico, que se espalha pelos tanques, o gasto era de US$ 5 milhões até 2014. A visita da reportagem começa pelo saguão, onde uma lanchonete espera por clientes, os banheiros aguardam as divisórias e o auditório, com vista para um aquário com capacidade para 85 mil litros de água, funciona como depósito. Com problemas de alinhamento, parte do piso é substituída. No caminho para os tanques, a escada tem pontos quebrados. Na área externa, as madeiras sem impermeabilização sofrem o efeito da exposição à chuva e sol. Vidros e ares condicionados também esperam pela instalação. Na retomada da obram, também foi encontrado item vencido, como cimento. O material para reaproveitamento já foi separado. Com algumas partes concluídas, o Aquário do Pantanal é promessa de passeio atrativo, principalmente, quando um túnel, cercado e coberto por tanques, ser povoado com peixes e colocar o visitante dentro de um rio. Na parte externa, a guarita da obra, no número 6.277 da avenida, é transferida para um ponto mais próximo da Afonso Pena. A intenção é melhorar o acesso.





Novela - A saga começou em fevereiro de 2011, quando a Egelte Engenharia venceu licitação para construir o Centro de Pesquisa e de Reabilitação da Ictiofauna Pantaneira, nome oficial do aquário, por R$ 84 milhões. Porém, em março de 2014 a construção foi repassada em subempreita para a Proteco Construções, empresa que desde o ano passado é investigada pela PF (Polícia Federal) e MPE (Ministério Público Estadual). O então governador André Puccinelli (PMDB) informou que se tratava de um “mutirão cívico” para concluir o empreendimento. Gravações da operação Lama Asfáltica apontam para uma frenética negociação para que a obra trocasse de mãos e ganhasse aditivo de R$ 21 milhões. Com a divulgação das denúncias, o MPF (Ministério Público Federal) recomendou em 22 de julho de 2015 que a administração estadual, já na gestão de Reinaldo Azambuja (PSDB), suspendesse os contratos com a Proteco. Após impasse na Justiça e paralisia da construção, a obra foi retomada em 4 de abril de 2016, após acordo entre a Egelte e o governo. O contrato tem saldo inicial de R$ 6 milhões. Porém, para a conclusão da obra, há um impasse porque já teve aditivo de 25%, o máximo permitido pela Lei de Licitações. Ainda não foi divulgado o custo para o término, mas, em abril, empresa e governo apontavam valor entre R$ 30 e R$ 40 milhões. O impasse pode prorrogar, mais uma vez, o prazo do fim da obra, previsto para junho de 2017.
_________

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Garota cai em cima de aquário

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Mini Compressor de Ar DIY

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Blog no Instagram

Agora o Blog AquariofiliaBR está também no Instagram,  segue lá!!!

Aprenda a fazer uma "Fish Tower" em lagos e aquários


terça-feira, 21 de junho de 2016

2000 litros by Oliver Knott